NA HORA DA DOR, UM GESTO DE AMOR!

Corpos são utilizados no estudo do corpo humano, como base à disciplina de Anatomia Humana. Todos os cursos que preparam profissionais das Áreas da Saúde e Biológicas estudam Anatomia Humana, para conhecer a organização do corpo e as relações entre suas partes, estruturas e órgãos.

Os futuros profissionais adquirem condições adequadas ao atendimento das pessoas em sua rotina de trabalho e para as atividades de pesquisa, além da formação ética e humanista, uma vez que o tema "Respeito ao Cadáver" é a primeira norma apresentada aos estudantes.

No Estado do Paraná, a doação de corpos para as Instituições de Ensino Superior (IES) é regulamentada pelo Conselho Estadual de Distribuição de Cadáveres-CEDC.

 

Quais os benefícios da doação de corpos para fins de estudo e pesquisa?

  • Contribuem para melhorar a formação técnica de profissionais da Área da Saúde;

  • Possibilitam estudar e conhecer as variações anatômicas das estruturas e órgãos que formam o corpo humano;

  • Permitem desenvolver técnicas cirúrgicas mais eficientes e menos invasivas;

  • Possibilitam desenvolver pesquisas médico-científicas;

  • Contribuem para a formação ético-humanista

 

Dúvidas frequentes:

Quando é possível efetuar a doação do corpo?

DOAÇÃO EM VIDA: A doação pode ser feita em vida desde que a pessoa seja maior de 18 anos e que tenha discutido com os familiares. O doador deverá dirigir-se a um cartório, com 2 testemunhas, munidas dos documentos pessoais para fazer uma declaração, denominada Termo de intenção ou escritura pública, na qual deve constar que deseja fazer a doação do corpo para fins de estudo e pesquisa para o CEDC, ou para a IES específica.

DOAÇÃO PÓS-MORTE: Após o óbito, os familiares podem fazer a doação, para isso deverão entrar em contato com o CEDC ou com a IES receptora para receber as orientações.

 

Em alguma situação NÃO É permitida a doação do corpo?

O corpo não poderá ser doado, se o óbito resultar de morte violenta ou de suicídio.

 

O que acontece com o corpo doado após óbito?

Quando a doação for feita ao CEDC, o mesmo encaminhará o corpo para a primeira IES do Paraná que conste da listagem de distribuição. Quando a doação for feita diretamente a uma IES específica, o corpo será encaminhado à instituição. De qualquer forma, após a morte do doador, o corpo será submetido a técnicas adequadas de preparo e conservação, para que seja utilizado dignamente e da melhor forma possível em atividades de estudo e pesquisa.

 

O doador está amparado por alguma lei?

Segundo Código Civil Brasileiro, o doador está amparado pela Lei 010.406/2002, Art. 14.

 

Quais são os gastos para o doador e a família?

Não há custos adicionais. A família realiza as homenagens e o velório normalmente, se assim o desejar, ficando responsável pelos custos do velório. No momento do óbito, a família contata o CEDC ou a IES receptora para que seja providenciado o translado do corpo após o velório.

 

Corpos cujos órgãos foram removidos para transplante podem ser doados?

Em geral, sim. A doação de órgãos para transplante não impede a doação do corpo, mas depende da verificação de viabilidade pelos envolvidos na doação e no transplante. Cada caso deve ser analisado individualmente.

 

Informações - UENP

Representante: João Lopes Toledo Neto

e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone de contato: (43) 3525-7316

 

Para mais informações acesse

Conselho Estadual de Distribuição de Cadáveres