O Programa elege uma única Área de Concentração: Teorias da Justiça: Justiça e Exclusão. A Área de Concentração propicia vínculo temático amplo para a pesquisa, por sua característica de articulação interdisciplinar.

A área de concentração foi definida considerando a responsabilidade social do Programa com a transformação da região do norte pioneiro do Estado do Paraná. A mesorregião na qual o programa exerce sua influência primária é formada por uma população de aproximadamente 600 mil habitantes, e corresponde a 5% da população do Estado.

Embora as primeiras cidades tenham se formado em meados do século XIX, no contexto do tropeirismo, o adensamento populacional só foi verificado no início do século XX, acompanhando por uma proliferação desordenada de núcleos urbanos sem a polaridade de nenhum deles. O resultado é que todos os municípios da região possuem população de menos de 50 mil habitantes, e nenhum deles exerce posição de destaque, do ponto de vista urbano, no Estado do Paraná.

De acordo com dados oficiais do governo do Estado, o IDH-M em geral é abaixo da média estadual, a taxa de frequência escolar é na média menor que a estadual, enquanto a mortalidade infantil, principalmente na parte sul da mesorregião, é maior que a média estadual. A região é economicamente dependente das atividades agrícolas e as industrias regionais, em geral, são concentradas em segmentos com pouca capacidade de agregação de valor, e de desenvolvimento de ciência, tecnologia e inovação.

Por essas razões o norte pioneiro do Paraná já foi chamado de ramal da fome paranaense, e é quase sempre lembrado por ser uma região de espacialidade insignificante do ponto de vista social, político e econômico.

A vocação histórica do programa, por essa razão, está profundamente vinculada com o seu contexto regional. Os temas que envolvem a pesquisa sobre Teorias da Justiça: Justiça e Exclusão possibilitam o desenvolvimento de projetos que podem colaborar com uma compreensão mais profunda e integrada das mazelas regionais, e ainda contribuir para a articulação de ações capazes de interferir positivamente nas suas dinâmicas sociais.

Isso não significa que a Área de concentração esteja estritamente vinculada com a elaboração de microanálises. Na verdade o modelo social que motivou a eleição desta área de concentração se repete em muitos outros rincões do país, principalmente nas regiões distantes dos grandes centros urbanos, ou nas suas periferias, de modo que as temáticas de pesquisa propiciadas pelas Teorias da Justiça: Justiça e Exclusão transcendem absolutamente o interesse mesorregional.

Por fim, os temas compreendidos pela área de concentração, por estarem voltados invariavelmente para as questões da inclusão social, possibilitam uma articulação da pesquisa com a ação.

Dessa forma, a área de concentração do programa tem propiciado o desenvolvimento de pesquisa interdisciplinar nas ciências sociais aplicadas, mas também tem despertado interesse em pesquisadores das ciências humanas, especialmente de historiadores, educadores, sociólogos e filósofos, que tem participado como colaboradores externos das atividades do programa.